MSXDUMP v0.2 (final) liberado no SourceForge.net

Finalmente após as previsões extremamente otimistas feitas no final do ano passado quando lancei a primeira versão do primeiro utilitário da suite MSX Disk Doctor (MSXDD), denominado MSXDUMP e que finalizaria o mesmo em dezembro de 2012, posso dizer que esse software está completamente pronto e funcional, incluindo o suporte a dispositivos de armazenamento em massa de grande capacidade (IDE) que eu havia prometido.

MSXDUMP 0.0 Main screen

MSXDUMP 0.2 Main screen

Com isso, o MSXDUMP v0.2 pode editar setores em dispositivos conectados à interfaces IDE Sunrise-like, de fabricantes como ACVS, Tecnobytes e lógicamente Sunrise.

Abaixo vou fazer uma compilação de algumas informações que já foram descritas nos posts anteriores sobre o MSXDUMP e que fazem mais sentido que estejam centralizadas nesse post final, uma vez que se trata da versão final estável do software e também porque existem modificações no comportamento de alguns parâmetros que foram redefinidos e não serão mais modificados a partir dessa versão.

Operação através do teclado

Com uma interface tradicional característica da maioria dos editores de setores, o MSXDUMP tem alguns poucos shortcuts que permitem ao usuário um completo controle sobre a edição de arquivos e setores.

Os shortcuts estão descritos logo abaixo:

  • SELECT – Alterna o modo de operação das setas direcionais. Quando em modo DISK, as setas direcionais podem avançar ou retroceder o ponteiro de setor/arquivo que está sendo editado. No modoEDIT, as setas direcionais podem se movimentar pelos dados exibidos na tela, permitindo assim a edição do buffer de memória que está sendo visualizado;
  • CTRL+S – Quando em modo DISK, essa combinação de teclas salva o conteúdo do buffer carregado;
  • CTRL+A – Quando em modo DISK, avança o ponteiro de setor/arquivo, carregando e exibindo os dados do setor lido. As direcionais UP e RIGHT, quando em modo DISK, tem a mesma função de CTRL+A;
  • CTRL+R – Quando em modo DISK, retrocede o ponteiro de setor/arquivo, carregando e exibindo os dados do setor lido. As direcionais DOWN e LEFT, quando em modo DISK, tem a mesma função de CTRL+R;
  • Direcionais UP, DOWN, LEFT, RIGHT – Quando em modo EDIT, podem ser utilizadas livremente para posicionar o cursor no dado a ser modificado;

ATENÇÃO:
O MSXDUMP não salva o conteúdo editado pelo usuário “automagicamente“, por isso, sempre que se editar dado, deve-se sair do modo de edição (através de SELECT) e salvar o buffer atual, antes de navegar para o próximo setor, senão a alteração será perdida ao se mudar de setor.

Parâmetros de startup por linha de comando.

O MSXDUMP pode ser iniciado com as seguintes opções de linha de comando.

-h Mostra a tela de help do MSXDUMP. Chamar o software com uma opção inválida ou sem parâmetros, também ativa a tela de help;

-f <filename> Essa opção especifica o nome do arquivo que se deseja editar, onde <filename> pode conter uma especificação completa da origem do arquivo, no formato drive:\path\filename, aceito pelo MSXDOS 2;

Ex (MSXDOS2): msxdump -f a:\MSXDD\MSXDUMP.PAS
Ex (MSXDOS): msxdump -f MSXDUMP.PAS

-d <drive> Essa opção especifica a unidade de disco dos setores a serem editados. Pode ser qualquer unidade de disco (A:, B:, C:, …., H:) aceita pelo MSX, incluindo dispositivos FLOPPY, IDE e RAMDISK;

Ex: msxdump -d a:

-s <sector_number> Essa opção especifica onde o ponteiro de setores será posicionado inicialmente para edição através do MSXDUMP. Um detalhe importante para o parâmetro -s <sector_number>, a partir dessa versão, é que número do setor especificado no parâmetro pode ser qualquer valor de zero até o limte máximo de um inteiro sem sinal (unsigned) de 24bits, nesse caso, 16777215.
Outro detalhe importante sobre o valor de <sector_number> é que o mesmo descreve o numero do setor de maneira relativa à partição apontada pela unidade especificada no parâmetro -d <drive>. Para discos conectados a uma IDE, onde geralmente existe mais de uma unidade mapeada a um unico dispositivo IDE, cada unidade inicia em um setor físico diferente de 1.

Considere um disco IDE com duas partições FAT12. A primeira partição (drive A:) inicia em 1 e a segunda partição (drive B:), digamos que por exemplo inicie em 65000.

Com base nesse cenário, caso o MSXDUMP seja chamado conforme exemplo abaixo:

Ex: msxdump -d b: -s 1

MSXDUMP irá posicionar o ponteiro do disco no setor físico relativo à posição inicial da unidade B:, ou seja, 65001.

-a Essa opção especifica que o valor apontado por <sector_number> será sempre absoluto, ou seja, se o parâmetro -a for chamado no startup, o valor de <sector_number> será interpretado como a posição absoluta no disco, independente da posição física do primeiro setor da unidade de disco especificada em -d <drive>;

Considerando o mesmo exemplo anterior, onde temos um disco IDE com duas partições FAT12. A primeira partição (drive A:) inicia em 1 e a segunda partição (drive B:), digamos que, por exemplo, inicie em 65000.

 Com base nesse cenário, caso o MSXDUMP seja chamado conforme descrito abaixo:

Ex: msxdump -d B: -s 1 -a

Na verdade o setor físico do disco será posicionado no primeiro setor do dispositivo IDE, ou seja, no setor 1 do drive A:, uma vez que estamos trabalhando no modo de apontamento absoluto.

OBS: O modo padrão de apontamento de setores do MSXDUMP é sempre relativo à posição fisica inicial do setor da unidade de disco selecionada, caso queira mudar para o modo absoluto, especificar a opção -a no startup da aplicação.

Código fonte

Juntamente com o MSXDUMP foi desenvolvido um Framework com funções que possibilitam acesso em alto nível a funcionalidades internas do MSX, como chamadas a funções da BIOS, funções do sistema operacional MSXDOS, MSXDOS2, chamadas à funções de baixo nível da IDE Sunrise-like, funções de matemáticas para manipulação de BigInt, o que possibilitou a manipulação de setores em 24Bits presente nas IDE Sunrise-like, dentre outras possibilidades que já estão disponíveis e outras que estão planejadas para futuros desenvolvimentos.

Os fontes foram desenvolvidos em Turbo Pascal 3 e Assembly Z80, estão completamente comentados e disponíveis no repositorio do projeto, o Old Skool Tech, sob licença GPLv3.

Apesar de ter otimizado o código visando um melhor aproveitamento de memória e velocidade, infelizmente não foi possível gerar um binário único, uma vez que o software foi pensado para funcionar em qualquer MSX com no mínimo 64Kb e MSXDOS.

No futuro pretendo otimizar mais o Framework e adicionar a possibilidade de trabalhar com módulos carregáveis, como nos sistemas operacionais modernos como Windows (.DLL) e Linux (.SO) e também adicionar suporte a detecção e uso de todas as memórias existentes no MSX, como Memory Mapper e Megaram.

Mas enquanto isso não acontece, precisei deixar o MSXDUMP em 3 binários separados, conforme descrevo abaixo:

MSXDUMP – Módulo base para edição de arquivos (MSXDOS e MSXDOS2);

MSXDUMPD – Módulo base para edição de setores (FLOPPY, IDE, …);

MSXDUMPHHelp do sistema;

Todos os módulos binários estão interconectados, ou seja, se por exemplo o módulo MSXDUMP for chamado com opções suportadas apenas pelo  MSXDUMPD, o primeiro chama o segundo repassando para esse o controle da operação.

Instalação

A instalação do MSXDUMP é simples, basta copiar todos os binários para uma pasta (no caso do MSXDOS2) e adicionar essa caminho na variável de ambiente PATH do MSXDOS2, conforme exemplo abaixo:

SET PATH=<suas definições de PATH aqui> B:\MSXDD 

Outro detalhe muito importante é definir uma variável de ambiente no AUTOEXEC.BAT do MSXDOS2, chamada MSXDD e setar essa variável com o caminho de onde está instalado o MSXDUMP e também onde estarão os futuros utilitários do MSX Disk doctor, conforme exemplo abaixo:

SET MSXDD=B:\MSXDD

Com isso os binários estarão interconectados e um poderá chamar o outro, conforme expliquei anteriormente.

Considerações finais e download.

Bom, realmente no ano passado e inicio desse ano dediquei bastante tempo nesse software e toda a base do Framework desenvolvido, entretanto agora é hora de colher os frutos desse trabalho pois daqui para frente os novos projetos serão cada vez mais fáceis de desenvolver, uma vez que a base já está criada e estará com novas features a cada novo lançamento.

Se tudo der certo, em breve teremos um dd, ScanDisk e um Defrag, para compor e ampliar a suite MSX Disk Doctor.

Segue abaixo os links para download do código fonte e binários do MSXDUMP v0.2.

MSXDUMP v0.2 – Código Fonte (Old Skool Tech – SourceForge.net)

http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.2/msxdd-src.zip/download  (Zip)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.2/msxdd-src.lzh/download  (Lzh)

MSXDUMP v0.2 – Binários (Old Skool Tech – SourceForge.net)

http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.2/msxdd-bin.zip/download  (Zip)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.2/msxdd-bin.lzh/download  (Lzh)

[]’s
PopolonY2k

Teste da TV/Monitor SAMSUNG T22B300

Desde que a tecnologia de TV’s e monitores expandiu de maneira quase que ilimitada nos ultimos 10 anos, os usuários e saudosistas de retrocomputação em geral (isso envolve os video-games também) tem buscado alternativas de vídeo que sejam pelo menos razoáveis para a utilização nos antigos consoles.

Quem vive no mundo de computadores antigos sabe da dificuldade de adaptar monitores para uso em saídas RGB, ou até mesmo VGA, devido a diversas limitações tanto do hardware antigo, quanto do hardware moderno em se compatibilizar com o hardware antigo, o que por vezes acaba nos obrigando a fazer algumas adaptações nos equipamentos mais antigos, ou até nos mais novos, para que possamos ter algo aceitável para uso diário.

Como eu sou extremamente purista, eu evito sempre alterar os meus computadores antigos, exceto no caso de alguns que não tem jeito mesmo, ou que eu vou utilizar como laboratório para criação de novos projetos.

Voltando ao assunto, nos ultimos 5 anos eu tenho sentido cada vez mais a dificuldade de conseguir utilizar o MSX e também o AMIGA em monitores modernos e sempre nesses casos acabo apelando para os famosos adaptadores de video componente/S-VIDEO para VGA, como o que foi analisado pelo site parceiro, Casa dos Nerds e que pode ser lido aqui, nesse link.

Se você ler o post do Casa dos Nerds saberá que para máquinas PAL-M, através da saída de vídeo componente, a imagem fica inaceitável portanto os felizes possuidores de  máquinas como o HotBit HB8000, que só possui uma saída de vídeo que é justamente a mesma do caso citado,  terão problemas com esse e outros adaptadores similares.

Uma solução, para quem não quer modificar seu computador, é utilizar esse adaptador com computadores que tenham saída S-VIDEO, como os Panasonic WSX e os MSX TurboR, entretanto não é todo mundo que tem a sorte de ter esses computadores, que diga-se de passagem estão dificeis de encontrar no mercado, então fica uma segunda alternativa que é utilizar computadores com saída RGB, como os MSX Expert, tendo o trabalho extra de construir um cabo para utiliza-los em monitores tão raros ou até mais do que qualquer micro MSX com saída S-VIDEO :).

Para mim a solução mais rápida e acessível está nos novos monitores que existem no mercado, e que ainda tem entrada de vídeo componente (algumas compartilhadas com de vídeo composto), além das entradas de HDMI e VGA. E é com base nessa solução que montei um vídeo demonstrando uma feliz surpresa que descobri meses depois que já havia comprado para uso doméstico diário.

Estou falando da TV/MONITOR SAMSUNG T22B30, que além de ser uma excelente TV de LED com entrada VGA, Video Composto (compartilhado com video componente), HDMI, excelente qualidade de imagem (Full HD) e som, descobri ser excelente alternativa para nossos vídeo-games e computadores old skool, uma vez que a imagem no vídeo composto é excelente, tanto que para confirmar fiz um vídeo com a maioria das máquinas que tenho aqui, que vão desde um MSX1 (HotBit), passando pelo HitBit HB-T7 (MSX2), MSX TurboR A1ST (A1GT só tem S-VIDEO, além de RGB) e finalizando no AMIGA A600.

Eu também cheguei a testá-lo no meu Commodore 64 com o mesmo sucesso dos demais micros, entretanto a qualidade da gravação ficou tão ruim que me impossibilitou adicionar esse teste no video montado, mas pode acreditar que funcionou :).

TV/Monitor Test (SAMSUNG T22B300)

UPDATE: Apenas o cartão Gradiente 80 colunas+RS232C apresentou imagem instável quando utilizado na SAMSUNG T22B300.

UPDATE2: Todos os testes foram realizados utilizando apenas as saídas de vídeo componente dos computadores;

Por ultimo, para alegrar o ambiente ainda mais, deixo um segundo vídeo com o tema da abertura de Aleste 2 sendo tocada em um teclado sintetizador Roland E-09 através da MIDI Pac, rodando em um MSX 2 HitBit HB-T7.

Aleste 2 on MIDI Pac+Roland E-09 Keyboard

[]’s
PopolonY2k