MSXDUMP v0.2 (final) liberado no SourceForge.net

Finalmente após as previsões extremamente otimistas feitas no final do ano passado quando lancei a primeira versão do primeiro utilitário da suite MSX Disk Doctor (MSXDD), denominado MSXDUMP e que finalizaria o mesmo em dezembro de 2012, posso dizer que esse software está completamente pronto e funcional, incluindo o suporte a dispositivos de armazenamento em massa de grande capacidade (IDE) que eu havia prometido.

MSXDUMP 0.0 Main screen

MSXDUMP 0.2 Main screen

Com isso, o MSXDUMP v0.2 pode editar setores em dispositivos conectados à interfaces IDE Sunrise-like, de fabricantes como ACVS, Tecnobytes e lógicamente Sunrise.

Abaixo vou fazer uma compilação de algumas informações que já foram descritas nos posts anteriores sobre o MSXDUMP e que fazem mais sentido que estejam centralizadas nesse post final, uma vez que se trata da versão final estável do software e também porque existem modificações no comportamento de alguns parâmetros que foram redefinidos e não serão mais modificados a partir dessa versão.

Operação através do teclado

Com uma interface tradicional característica da maioria dos editores de setores, o MSXDUMP tem alguns poucos shortcuts que permitem ao usuário um completo controle sobre a edição de arquivos e setores.

Os shortcuts estão descritos logo abaixo:

  • SELECT – Alterna o modo de operação das setas direcionais. Quando em modo DISK, as setas direcionais podem avançar ou retroceder o ponteiro de setor/arquivo que está sendo editado. No modoEDIT, as setas direcionais podem se movimentar pelos dados exibidos na tela, permitindo assim a edição do buffer de memória que está sendo visualizado;
  • CTRL+S – Quando em modo DISK, essa combinação de teclas salva o conteúdo do buffer carregado;
  • CTRL+A – Quando em modo DISK, avança o ponteiro de setor/arquivo, carregando e exibindo os dados do setor lido. As direcionais UP e RIGHT, quando em modo DISK, tem a mesma função de CTRL+A;
  • CTRL+R – Quando em modo DISK, retrocede o ponteiro de setor/arquivo, carregando e exibindo os dados do setor lido. As direcionais DOWN e LEFT, quando em modo DISK, tem a mesma função de CTRL+R;
  • Direcionais UP, DOWN, LEFT, RIGHT – Quando em modo EDIT, podem ser utilizadas livremente para posicionar o cursor no dado a ser modificado;

ATENÇÃO:
O MSXDUMP não salva o conteúdo editado pelo usuário “automagicamente“, por isso, sempre que se editar dado, deve-se sair do modo de edição (através de SELECT) e salvar o buffer atual, antes de navegar para o próximo setor, senão a alteração será perdida ao se mudar de setor.

Parâmetros de startup por linha de comando.

O MSXDUMP pode ser iniciado com as seguintes opções de linha de comando.

-h Mostra a tela de help do MSXDUMP. Chamar o software com uma opção inválida ou sem parâmetros, também ativa a tela de help;

-f <filename> Essa opção especifica o nome do arquivo que se deseja editar, onde <filename> pode conter uma especificação completa da origem do arquivo, no formato drive:\path\filename, aceito pelo MSXDOS 2;

Ex (MSXDOS2): msxdump -f a:\MSXDD\MSXDUMP.PAS
Ex (MSXDOS): msxdump -f MSXDUMP.PAS

-d <drive> Essa opção especifica a unidade de disco dos setores a serem editados. Pode ser qualquer unidade de disco (A:, B:, C:, …., H:) aceita pelo MSX, incluindo dispositivos FLOPPY, IDE e RAMDISK;

Ex: msxdump -d a:

-s <sector_number> Essa opção especifica onde o ponteiro de setores será posicionado inicialmente para edição através do MSXDUMP. Um detalhe importante para o parâmetro -s <sector_number>, a partir dessa versão, é que número do setor especificado no parâmetro pode ser qualquer valor de zero até o limte máximo de um inteiro sem sinal (unsigned) de 24bits, nesse caso, 16777215.
Outro detalhe importante sobre o valor de <sector_number> é que o mesmo descreve o numero do setor de maneira relativa à partição apontada pela unidade especificada no parâmetro -d <drive>. Para discos conectados a uma IDE, onde geralmente existe mais de uma unidade mapeada a um unico dispositivo IDE, cada unidade inicia em um setor físico diferente de 1.

Considere um disco IDE com duas partições FAT12. A primeira partição (drive A:) inicia em 1 e a segunda partição (drive B:), digamos que por exemplo inicie em 65000.

Com base nesse cenário, caso o MSXDUMP seja chamado conforme exemplo abaixo:

Ex: msxdump -d b: -s 1

MSXDUMP irá posicionar o ponteiro do disco no setor físico relativo à posição inicial da unidade B:, ou seja, 65001.

-a Essa opção especifica que o valor apontado por <sector_number> será sempre absoluto, ou seja, se o parâmetro -a for chamado no startup, o valor de <sector_number> será interpretado como a posição absoluta no disco, independente da posição física do primeiro setor da unidade de disco especificada em -d <drive>;

Considerando o mesmo exemplo anterior, onde temos um disco IDE com duas partições FAT12. A primeira partição (drive A:) inicia em 1 e a segunda partição (drive B:), digamos que, por exemplo, inicie em 65000.

 Com base nesse cenário, caso o MSXDUMP seja chamado conforme descrito abaixo:

Ex: msxdump -d B: -s 1 -a

Na verdade o setor físico do disco será posicionado no primeiro setor do dispositivo IDE, ou seja, no setor 1 do drive A:, uma vez que estamos trabalhando no modo de apontamento absoluto.

OBS: O modo padrão de apontamento de setores do MSXDUMP é sempre relativo à posição fisica inicial do setor da unidade de disco selecionada, caso queira mudar para o modo absoluto, especificar a opção -a no startup da aplicação.

Código fonte

Juntamente com o MSXDUMP foi desenvolvido um Framework com funções que possibilitam acesso em alto nível a funcionalidades internas do MSX, como chamadas a funções da BIOS, funções do sistema operacional MSXDOS, MSXDOS2, chamadas à funções de baixo nível da IDE Sunrise-like, funções de matemáticas para manipulação de BigInt, o que possibilitou a manipulação de setores em 24Bits presente nas IDE Sunrise-like, dentre outras possibilidades que já estão disponíveis e outras que estão planejadas para futuros desenvolvimentos.

Os fontes foram desenvolvidos em Turbo Pascal 3 e Assembly Z80, estão completamente comentados e disponíveis no repositorio do projeto, o Old Skool Tech, sob licença GPLv3.

Apesar de ter otimizado o código visando um melhor aproveitamento de memória e velocidade, infelizmente não foi possível gerar um binário único, uma vez que o software foi pensado para funcionar em qualquer MSX com no mínimo 64Kb e MSXDOS.

No futuro pretendo otimizar mais o Framework e adicionar a possibilidade de trabalhar com módulos carregáveis, como nos sistemas operacionais modernos como Windows (.DLL) e Linux (.SO) e também adicionar suporte a detecção e uso de todas as memórias existentes no MSX, como Memory Mapper e Megaram.

Mas enquanto isso não acontece, precisei deixar o MSXDUMP em 3 binários separados, conforme descrevo abaixo:

MSXDUMP – Módulo base para edição de arquivos (MSXDOS e MSXDOS2);

MSXDUMPD – Módulo base para edição de setores (FLOPPY, IDE, …);

MSXDUMPHHelp do sistema;

Todos os módulos binários estão interconectados, ou seja, se por exemplo o módulo MSXDUMP for chamado com opções suportadas apenas pelo  MSXDUMPD, o primeiro chama o segundo repassando para esse o controle da operação.

Instalação

A instalação do MSXDUMP é simples, basta copiar todos os binários para uma pasta (no caso do MSXDOS2) e adicionar essa caminho na variável de ambiente PATH do MSXDOS2, conforme exemplo abaixo:

SET PATH=<suas definições de PATH aqui> B:\MSXDD 

Outro detalhe muito importante é definir uma variável de ambiente no AUTOEXEC.BAT do MSXDOS2, chamada MSXDD e setar essa variável com o caminho de onde está instalado o MSXDUMP e também onde estarão os futuros utilitários do MSX Disk doctor, conforme exemplo abaixo:

SET MSXDD=B:\MSXDD

Com isso os binários estarão interconectados e um poderá chamar o outro, conforme expliquei anteriormente.

Considerações finais e download.

Bom, realmente no ano passado e inicio desse ano dediquei bastante tempo nesse software e toda a base do Framework desenvolvido, entretanto agora é hora de colher os frutos desse trabalho pois daqui para frente os novos projetos serão cada vez mais fáceis de desenvolver, uma vez que a base já está criada e estará com novas features a cada novo lançamento.

Se tudo der certo, em breve teremos um dd, ScanDisk e um Defrag, para compor e ampliar a suite MSX Disk Doctor.

Segue abaixo os links para download do código fonte e binários do MSXDUMP v0.2.

MSXDUMP v0.2 – Código Fonte (Old Skool Tech – SourceForge.net)

http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.2/msxdd-src.zip/download  (Zip)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.2/msxdd-src.lzh/download  (Lzh)

MSXDUMP v0.2 – Binários (Old Skool Tech – SourceForge.net)

http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.2/msxdd-bin.zip/download  (Zip)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.2/msxdd-bin.lzh/download  (Lzh)

[]’s
PopolonY2k

MSXDUMP v0.1 liberado no Sourceforge.net

Após um pequeno período de silêncio tanto nos projetos relacionados a retrocomputing quanto nos posts aqui no blog, volto com uma “novidade” que na verdade eu já deveria ter lançado no final do ano passado mas que infelizmente devido a diversos problemas e também pela “correria” de fim de ano, não pude fazê-lo.

É a segunda versão do editor de discos MSXDUMP, que, conforme expliquei no primeiro post sobre o software, é parte de uma suite maior, denominada MSXDD ou MSX Disk Doctor.

MSXDUMP 0.1 Main screen

MSXDUMP 0.1 Main screen

Pois bem, a principal característica da versão 0.1 do MSXDUMP é a capacidade de edição de setores de discos (floppy), com isso as opções de linha de comando, -d e -s, agora estão completamente funcionais, conforme descrevo abaixo.

-d <drive> Essa opção especifica a unidade de disco cujo os setores serão editados;

Ex: msxdump -d a:

-s <sector_number> Essa opção especifica onde o ponteiro de setores será posicionado inicialmente para edição através do MSXDUMP;

Ex: msxdump -d a: -s 100

Lembrando que ainda pretendo lançar uma ultima versão que adiciona a capacidade do MSXDUMP gerenciar setores em dispositivos IDE Sunrise-like, ou seja, Sunrise, Tecnobytes e ACVS.

WARNING:

Como a versão 0.1 do MSXDUMP passou por poucos testes, eu a considero mais instável em relação à versão 0.0, portanto muita cautela em sua utilização.

Enjoy the silence. 🙂

[]’s
PopolonY2k

Referência na internet

MSXDUMP v0.1 no OldSkoolTech (Sourceforge.net)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/

MSXDUMP no OldSkoolTech (Download binário compactado – zip)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.1/msxdd-bin.zip/download

MSXDUMP no OldSkoolTech (Download binário compactado – lzh)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.1/msxdd-bin.lzh/download

MSXDUMP no OldSkoolTech (Download fontes compactado – zip)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.1/msxdd-src.zip/download

MSXDUMP no OldSkoolTech (Download fontes compactado – lzh)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.1/msxdd-src.lzh/download