MSXDUMP v0.1 liberado no Sourceforge.net

Após um pequeno período de silêncio tanto nos projetos relacionados a retrocomputing quanto nos posts aqui no blog, volto com uma “novidade” que na verdade eu já deveria ter lançado no final do ano passado mas que infelizmente devido a diversos problemas e também pela “correria” de fim de ano, não pude fazê-lo.

É a segunda versão do editor de discos MSXDUMP, que, conforme expliquei no primeiro post sobre o software, é parte de uma suite maior, denominada MSXDD ou MSX Disk Doctor.

MSXDUMP 0.1 Main screen
MSXDUMP 0.1 Main screen

Pois bem, a principal característica da versão 0.1 do MSXDUMP é a capacidade de edição de setores de discos (floppy), com isso as opções de linha de comando, -d e -s, agora estão completamente funcionais, conforme descrevo abaixo.

-d <drive> Essa opção especifica a unidade de disco cujo os setores serão editados;

Ex: msxdump -d a:

-s <sector_number> Essa opção especifica onde o ponteiro de setores será posicionado inicialmente para edição através do MSXDUMP;

Ex: msxdump -d a: -s 100

Lembrando que ainda pretendo lançar uma ultima versão que adiciona a capacidade do MSXDUMP gerenciar setores em dispositivos IDE Sunrise-like, ou seja, Sunrise, Tecnobytes e ACVS.

WARNING:

Como a versão 0.1 do MSXDUMP passou por poucos testes, eu a considero mais instável em relação à versão 0.0, portanto muita cautela em sua utilização.

Enjoy the silence. 🙂

[]’s
PopolonY2k

Referência na internet

MSXDUMP v0.1 no OldSkoolTech (Sourceforge.net)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/

MSXDUMP no OldSkoolTech (Download binário compactado – zip)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.1/msxdd-bin.zip/download

MSXDUMP no OldSkoolTech (Download binário compactado – lzh)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.1/msxdd-bin.lzh/download

MSXDUMP no OldSkoolTech (Download fontes compactado – zip)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.1/msxdd-src.zip/download

MSXDUMP no OldSkoolTech (Download fontes compactado – lzh)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.1/msxdd-src.lzh/download

Print Friendly, PDF & Email

MSXDUMP vrs 0.0, liberado no SourceForge.net

Amigos, após um bom tempo sem nenhum post no blog, finalmente retorno com novidades na área de software para o MSX.

Como muitos aqui já devem saber através do post feito no MSX.ORG, na semana passada liberei extra-oficialmente a primeira ferramenta do MSX Disk Doctor (MSXDD), suite essa que eu mesmo já havia citado aqui no inicio de 2011.

O MSXDD está sendo desenvolvido como uma suite de utilitários de gerenciamento de discos para MSX, compatível com diversos tipos de formatação, como FAT12, FAT16 e até FAT32, caso algum dia o MSXDOS seja capaz de manipular esse tipo de formatação. Isso é possível devido ao mesmo ser construido sob a base de um framework escalável, , escrito em Pascal e ASM, desenvolvido paralelamente ao desenvolvimento das ferramentas do MSXDD.

Na primeira versão do MSXDD, está disponível o MSXDUMP (vrs 0.0), que é um editor de arquivos e setores, compatível com os sistemas operacionais MSXDOS e MSXDOS2 e capaz de operar com floppy disks, bem como com dispositivos conectados a uma IDE Sunrise-like, sendo que nessa versão 0.0 inicial, apenas o suporte a edição de arquivos está presente.

MSXDUMP 0.0 Main screen
MSXDUMP 0.0 Main screen

Operação

Com uma interface tradicional característica da maioria dos editores de setores, o MSXDUMP tem alguns poucos (por enquanto) shortcuts que permitem ao usuário um completo controle sobre a edição de arquivos e setores.

Os shortcuts estão descritos logo abaixo:

  • SELECT – Alterna o modo de operação das setas direcionais. Quando em modo DISK, as setas direcionais podem avançar ou retroceder o ponteiro de setor/arquivo que está sendo editado. No modo EDIT, as setas direcionais podem se movimentar pelos dados exibidos na tela, permitindo assim a edição do buffer de memória que está sendo visualizado;
  • CTRL+S – Quando em modo DISK, essa combinação de teclas salva o conteúdo do buffer carregado;
  • CTRL+A – Quando em modo DISK, avança o ponteiro de setor/arquivo, carregando e exibindo os dados do setor lido. As direcionais UP e RIGHT, quando em modo DISK, tem a mesma função de CTRL+A;
  • CTRL+R – Quando em modo DISK, retrocede o ponteiro de setor/arquivo, carregando e exibindo os dados do setor lido. As direcionais DOWN e LEFT, quando em modo DISK, tem a mesma função de CTRL+R;
  • Direcionais UP, DOWN, LEFT, RIGHT – Quando em modo EDIT, podem ser utilizadas livremente para posicionar o cursor no dado a ser modificado;
MSXDUMP 0.0 help screen
MSXDUMP 0.0 help screen

Até o final desse ano pretendo lançar mais duas versões do MSXDUMP, adicionando o suporte a edição de setores para floppy disks e por ultimo adicionar suporte a dispositivos  com capacidade suficiente para suportar FAT16, nesse caso dispositivos compatíveis com IDE Sunrise-Like.

Por enquanto deixo abaixo os arquivos, já devidamente liberados no repositório do projeto Old Skool Tech, que está hospedado no SourceForge.net.

Binários (LZH)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.0/msxdd-bin.lzh/download

Binários (ZIP)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.0/msxdd-bin.zip/download

Fontes (LZH)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.0/msxdd-src.lzh/download

Fontes (ZIP)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/MSXDD/v0.0/msxdd-src.zip/download

Até lá, outras ferramentas poderão ser adicionadas à suite do MSXDD, talvez um DD.

[]’s
PopolonY2k

Referência na internet

Anuncio do MSXDUMPP 0.0 (MSX.ORG)
http://www.msx.org/news/en/msxdump-0 

Software Suite (Wikipedia)
http://en.wikipedia.org/wiki/Software_suite

Anuncio do Old Skool Tech & MSXDD (PopolonY2k Rulezz)
http://www.popolony2k.com.br/?p=377

FAT12 (Wikipedia)
http://en.wikipedia.org/wiki/Fat12

 FAT16 (Wikipedia)
http://en.wikipedia.org/wiki/Fat12#FAT16

FAT32 (Wikipedia)
http://en.wikipedia.org/wiki/Fat12#FAT32

Turbo Pascal (Wikipedia)
http://pt.wikipedia.org/wiki/Turbo_Pascal

ASM Z80 (CodeWorld)
http://codeworld.wikidot.com/asm:z80

MSXDOS (Wikipedia)
http://en.wikipedia.org/wiki/MSX-DOS

Floppy Disk (Wikipedia)
http://en.wikipedia.org/wiki/Floppy_disk

Análise da Interface ATA-IDE – Tecnobytes
http://www.popolony2k.com.br/?p=409

Old Skool Tech (SourceForge.net)
http://sourceforge.net/projects/oldskooltech/

SourceForge.net
http://sourceforge.net/

Print Friendly, PDF & Email

Grupo de desenvolvimento de software e coisas legais para MSX

Após um bom tempo conversando com diversos amigos de listas de discussão para MSX, principalmente na MSX-All e MSXBR-L, finalmente coloquei em prática a idéia de criar uma lista específica para o desenvolvimento de software para MSX e outras plataformas old skool.

MSX trademark

Em conversa com o amigo Nivardo Cavalcanti, principal incentivador da nova lista, chegamos a uma idéia de que a mesma deveria tratar basicamente de desenvolvimento de novos projetos de software para o MSX, principalmente porque hoje temos, finalmente no Brasil, muita coisa legal em hardware, como placas de rede baseadas em Obsonet, placas de som baseadas em Moonsound, placas gráficas baseadas na V9990, IDE Sunrise-like e apesar de tudo isso, a quantidade de software para todas essas tecnologias é quase nula.

Então a idéia da lista é estudar toda a camada de software embutida em cada uma dessas tecnologias, documentar e difundir o conhecimento sobre esses e outros novos hardwares e por ultimo criar peças de software, ou bibliotecas, para controlar cada um desses dispositivos, possibilitando assim a criação de novos softwares, do mesmo nível dos existentes em outras plataformas mais modernas.

Com isso, na data de hoje, estou anunciando a criação do Grupo de desenvolvimento de software e coisas legais para MSX e afins, que está no Google Groups no endereço abaixo:

http://groups.google.com/group/gdmsx

Espero a visita e inscrição de todos os que são entusiastas da tecnologia MSX ou qualquer outra plataforma retrô, ou até mesmo aqueles que gostam de hacking, arduino ou aos que são simples entusiastas de tecnologia em geral, sintam-se em casa.

Arduino Uno logo

Qualquer discussão sobre tecnologias, impossíveis ou não, podem e devem ser fomentadas no grupo. Em nosso grupo, nunca peça desculpas por alguma pergunta que você acredita ser simples ou idiota demais, pois certamente não é simples nem idiota, ou seja, toda pergunta é válida e importante, pois muitas vezes perdemos a oportunidade de desenvolver excelentes idéias por medo de expô-las.

Bom, é isso, vida longa ao novo Grupo de desenvolvimento de software e coisas  legais para MSX e afins.

[]’s
PopolonY2k 

Print Friendly, PDF & Email

Casa dos Nerds

Quem visita o meu blog frequentemente já deve ter percebido que desde o último mês tenho 2 blogs parceiros, que podem ser vistos na lateral da página, sendo o primeiro o MSX Resources, conforme notificado nesse post aqui, e o segundo o blog Casa dos Nerds.

Casa dos Nerds

Bem, o blog Casa dos Nerds é um de meus preferidos desde que o conheci, inclusive já citei sobre o mesmo no último post da série Lata Velha MSX, sendo parte de minha fonte particular de consulta sobre retrocomputing e coisas legais, sendo assim eu não poderia deixar de fazer um post apresentando esse excelente blog parceiro.

Se você gosta de jogos, tecnologias retrô, dicas e reviews sobre novos e velhos dispositivos  e também sobre computação em geral, certamente se sentirá em casa no Casa dos Nerds :).

[]’s
PopolonY2k

Print Friendly, PDF & Email

MSX, games e produções independentes.

Esse ano é um bom ano para o MSX no cenário nacional. Na parte de hardware sempre pudemos contar com produtores que estão sempre ativos construindo “antigas” novas tecnologias para nossas máquinas e algumas vezes construindo até novas máquinas do zero, ou quase do zero, como é o caso dos kit’s de conversão ou até mesmo motherboards MSX, “zero bala”, para adaptação em gabinetes de PC ou em antigos Experts e HotBits.

Pois bem o cenário de hardware é bem ativo, algumas vezes dá uma descansada mas sempre se levanta com novidades, porém  o mesmo não acontece com software desde a época de ouro do MSX, no Brasil. Para falar a verdade, apesar dos muitos softwares escritos originalmente em nosso País, creio que o desenvolvimento de software nunca foi um sucesso em nosso País, independente da plataforma utilizada.

Felizmente nos últimos anos, o Brasil tem começado a colher os frutos da formação de profissionais nas décadas de 70, passando pelos 80 e chegando até os 90 e para mim é inevitável que o País se torne referência em software nos próximos 10 anos, pois os profissionais de software sofreram muito ao viver as épocas em que eram “generalistas“, ou seja, podiam fazer tudo na área de tecnologia.

Por um lado ser generalista é ruim, pois não nos especializamos em um nicho de mercado, que de certa forma nos tornaria mais caros no nicho escolhido, mas analisando de uma maneira mais ampla e aberta, com certeza chegaremos a conclusão de que é isso que nos torna melhores arquitetos de software do que outros pelo mundo afora, uma vez que pensar em tudo e criar abstrações para esse “tudo”, só pode fazer quem já viveu uma situação de atuar no “todo”. 🙂

Mas é claro que só poderemos ser uma potência em software se o governo federal também fizer a parte dele que é, proporcionar uma boa infra-estrutura de ensino para os nossos jovens, e futuros profissionais. Atualmente o mérito é individual e apenas do povo brasileiro, através dos esforços dos pais (não confundir com País) e avós dessa geração que citei anteriormente, que foram os investidores dessa geração que aí está.

Voltando ao software, recentemente adquiri um lote de coisas para MSX, que vão desde hardwares e softwares a diversas revistas, incluindo MSX Magazine e outras revistas, que só tratavam de software em seu conteúdo, cada uma com mais de 100 páginas só de softwares escritos em diversas linguagens (MSX-BASIC, Prolog, ADA, C, ASM, …) , tudo da década de 80.

Revistas de MSX japonesas.

Pois bem, olhando esse material todo apenas tive a confirmação do porque os melhores games e softwares eram feitos no Japão. Simplesmente porque, aliado ao fato deles desenvolverem grandes softwares, eles desenvolviam conhecimento e difundiam em massa e ainda obtinham lucro com isso. Essas revistas tem tanto conteúdo técnico de qualidade, que eles são aplicáveis em qualquer plataforma atual e talvez todo esse conhecimento explique o porque de ainda existir diversos grupos construindo coisas para MSX no Japão e Europa e também para outras plataformas como C64, NES, SNES, Sega Genesis (aka Mega Drive), entre outros.

20 e tantos  anos depois…..

…muitos dos que viveram aquela época, hoje nem trabalham com software ou na área técnica, entretanto a grande maioria das pessoas daquela geração e que hoje estão no mercado de trabalho, ou trabalha com um computador ou pelo menos o utiliza como ferramenta no dia-a-dia e para entretenimento.

Dentre essas pessoas encontramos, Designers e Web Designers, Programadores, Músicos, Gamers, entusiastas de tecnologia, enfim, muitos de nós, desenvolveu bastante suas capacidades técnicas nos computadores pessoais, desde a épocas passadas.

Podemos dizer que, hoje, somos muito mais capazes de realizar proezas técnicas diversas, com muito mais facilidade e qualidade do que naquela época e também baseado nesse raciocínio posso dizer que se fosse possível voltar no tempo, com o conhecimento que temos hoje, poderíamos ao menos fazer frente aos dominadores do conhecimento da época. A situação seria ainda melhor se conseguíssemos construir coisas utilizando recursos computacionais modernos, como os que temos hoje. Com certeza seria um diferencial.

Não é muito difícil encontrar grupos, ao redor do mundo, que tem um ponto de vista similar ao que citei anteriormente, veja o caso do pessoal da Relevo Video Games, que desde 2009 vem lançando games originais para plataformas MSX e ZX-Spectrum, com qualidade excepcional, como é o caso do excelente e já consagrado Invasion of the Zombie Monsters, que é um game de 32Kb com gráficos, musicas e jogabilidade superior a muitos dos clássicos da época de ouro dessas plataformas e, serei ousado, superior a muitos games da mesma categoria feitos para plataformas mais atuais como Android e iPhone.

Capa do game Invasion of the Zombie Monsters

Ao acompanhar o nascimento de grupos como o pessoal da Relevo, que começou fazendo games para plataformas antigas e que já ensaiam lançamentos para outros dispositivos Mobile, acredito que o Brasil pode e tem potencial técnico, criativo e artístico para desenvolver projetos similares aos da Relevo.

Vale a pena lembrar que a Relevo Video Games é certamente um reflexo e fruto do investimento dos espanhois no desenvolvimento de video-games, iniciado na década de 80 onde empresas como Dinamic Software e Opera Soft, desenvolviam games para MSX & ZX-Spectrum, na grande maioria das vezes inferiores aos japoneses, porém era uma época de busca do Know-How necessário para fazer frente aos japoneses na arte dos games no futuro.

Bom, se passaram 20 e poucos anos e finalmente podemos dizer que os espanhóis fazem frente a qualquer outro player no mercado de video-games, haja vista que os próprios japoneses começam a entregar o desenvolvimento técnico de suas consagradas franquias, como CastleVania (aka Vampire Killer para os MSXzeiros), a empresas espanholas.

CastleVania – Lords of Shadow, mostra o sucesso espanhol no desenvolvimento de games, iniciado na década de 80, uma vez que uma franquia de origem japonesa e que ao longo dos anos sempre fora desenvolvida em solo japonês e exclusivamente por japoneses, dessa vez é produzida em “terras” espanholas, através da Mercury Steam, só demonstra que o investimento de longo prazo é sempre a melhor opção.

Enquanto isso no Brasil…

…ainda engatinhamos no desenvolvimento de games e softwares para consumo do publico em geral, porém já começamos a ser reconhecidos em algumas áreas, pelo menos como um país potencial em desenvolvimento de software, apesar do mercado ser reconhecidamente inexplorado.

Desde cedo eu sempre acreditei que jogar video-games, era algo fenomenal pelo ponto de vista do aprendizado mas quando eu falava isso para um adulto na época, lá pelos anos 1980, não chegava a ser motivo de chacota mas o pessoal mais velho simplesmente ignorava a minha opinião, mais pela diferença entre gerações, entretanto por situações como essa, talvez, tenhamos perdido muito dos futuros profissionais que não chegaram a acontecer para o mercado de desenvolvimento de games.

Sempre acreditei que o simples fato de assistir alguém jogando já era o suficiente para fazer a cabeça pipocar as ideias, pois é necessário técnica apurada e conhecimento de algoritmos otimizados e também ser pelo menos um bom programador para se construir produtos de qualidade. Com o tempo percebi que jogar poderia ser mais produtivo para os que seguiram a carreira de desenvolvimento de software e design, do que para a grande maioria que estava apenas interessada em jogar.

Bom, como sou persistente e raramente jogo a toalha de primeira, fiquei muito feliz ao ler essa noticia no TechTudo, onde o autor descreve sobre um evento ocorrido em 25 de fevereiro desse ano (2011), denominado “O Mercado de Games e Aplicativos no Brasil” e também esse outro artigo, também no TechTudo, que vai de encontro exatamente ao que penso, onde o bom produtor de jogos deve ser um auto-didata, deve gostar de aprender e desenvolver coisas novas sempre, saber algumas linguagens e principalmente jogar MUITO !!!

Outra coisa bem legal que o autor cita é sobre, criar um grupo de estudo sobre games, que discuta ideias, técnicas, converse, extrapole as discussões, ou seja, desenvolva as ideias e as transforme em realidade, desenvolvendo novas técnicas e tecnologias, criando ferramentas, pois tudo isso gera a experiência necessária para o desenvolvimento de produtores em potencial para o mercado de games.

É bom saber que um grupo de estudos e desenvolvimento é um bom inicio e melhor ainda é saber que já temos um que está a pleno vapor, desenvolvendo um projeto de um RPG para MSX 2.0, totalmente feito em MSX-BASIC, com suporte a som de qualidade, compatível com placas FM do MSX (Panasonic FM-PAC, Tecnobytes FM-Stereo, …) e com toda capacidade de cores e gráficos que esses micros tem e que pouco foram aproveitados pelos desenvolvedores brasileiros da época.

Esse grupo, que ainda não tem nome, é composto por músicos, designers e programadores que viveram, ou não, a época de ouro do MSX e basicamente vem interagindo e desenvolvendo todo o game apenas em conversas por MSN e também na comunidade MSX-Brasil, no Orkut, que de maneira natural se tornou a “casa” do jogo, podendo ter seu desenvolvimento acompanhado aqui nessa discussão.

O nome do jogo é Visitantes – Experimento Sombrio e até o momento, diversas técnicas já foram desenvolvidas, como as de conversão de música MIDI para o MSX, conforme descrito na série MusicA – Tocando MIDI no MSX I, II, III e IV.

Grande parte do código do engine responsável pela execução do RPG também está pronta, sendo que ainda está previsto o desenvolvimento do game editor, necessário para edição da interação com o usuário.

Claro que muitas outras técnicas e novidades estão a caminho e ainda é muito cedo para detalhar algo sobre esse desenvolvimento, porém a medida que o projeto avança, alguns snapshots serão lançados ao público, como o vídeo que já está disponível no YouTube, através desse primeiro making of do que está rolando no desenvolvimento do game.

Bom, eu acredito que esse essa iniciativa é não só inovadora do ponto de vista técnico mas também pelo fato de comprovar que a internet é um meio produtivo que dissemina a idéia de que não importa mais o local onde as pessoas estão e sim o que elas podem fazer de onde elas já estão. 🙂

Espero que em breve tenhamos um mercado potencial no desenvolvimento de jogos no Brasil e espero um dia poder colher frutos disso mas enquanto isso….mãos na massa….tenho algumas coisas para terminar aqui 🙂

[]’s
PopolonY2k

Referência na internet

MSX-BASIC – Wikipedia
http://en.wikipedia.org/wiki/MSX_BASIC

Prolog – Wikipedia
http://en.wikipedia.org/wiki/Prolog

ADA Programming Language – Wikipedia
http://en.wikipedia.org/wiki/Ada_%28programming_language%29

C – Programming language – Wikipedia
http://en.wikipedia.org/wiki/C_%28programming_language%29

ASM – Wikipedia
http://en.wikipedia.org/wiki/Assembly_language

Relevo Video Games
http://www.relevovideogames.com/

Dinamic Software
http://en.wikipedia.org/wiki/Dinamic_Software

Opera Soft
http://en.wikipedia.org/wiki/Opera_Soft

Mercury Steam
http://en.wikipedia.org/wiki/MercurySteam

Android Operating System
http://en.wikipedia.org/wiki/Android_%28operating_system%29

IOS – iPhone Operating System
http://en.wikipedia.org/wiki/IPhone

CastleVania Lord of Shadow
http://www.konami.com/officialsites/castlevania/

Print Friendly, PDF & Email