PopolonY2k Framework Memory Mapper support

Após alguns meses do lançamento da última versão do PopolonY2k Framework, venho trabalhando em alguns programas de exemplo para reforçar os conceitos implementados no framework bem como na difusão de conhecimento de tudo o que tem nele desenvolvido.

A comunidade nacional tem utilizado muitas partes do framework e principalmente a comunidade internacional tem reportado alguns problemas encontrados, principalmente no Pop!Art, o que me levou a verificar que de fato os problemas estão relacionados a algumas peças do framework e que brevemente serão ajustadas ainda esse ano.

No grupo de WhatsApp “MSX Pascal, C, ASM e etc” temos discutido muito sobre assuntos relacionados a desenvolvimento para retro-machines, principalmente para o MSX e em algumas dessas discussões surgiram alguns questionamentos sobre o uso das rotinas de uso da mapper do PopolonY2k Framework.

Por esse motivo, preparei um sample com um código bem elucidativo sobre o uso das principais rotinas de alocação e paginação da mapper que fazem uso das rotinas do MSXDOS2 disponíveis no framework, conforme análise e explicação pode ser vista no vídeo abaixo.

MSXDOS2 Mapper PopolonY2k Framework routines

O framework também contempla uso da mapper através do acesso direto a portas de I/O, o que torna o seu uso mais rápido, entretanto essas rotinas são as chamadas “mal comportadas” e devem ser utilizadas com muita cautela principalmente quando se tem completa certeza de que não há conflitos com áreas pré-alocadas pelo próprio MSXDOS2 via suas rotinas padrão.

O Pop!Art faz isso com extrema segurança, onde o mesmo aloca e preenche os dados da música VGM usando as rotinas de mapper padrão do MSXDOS2 e usa as de acesso direto, apenas no momento em que está tocando quando está apenas fazendo paginação dos segmentos da mapper pré-alocados pelas rotinas do MSXDOS2.

Os exemplos estão sendo adicionados diretamente no repositório do projeto na OldSkoolTech no SourceForge.net e podem ser consultados nesse link aqui.

O sample de uso da mapper (maprtest.pas) está completamente comentado sendo bem auto-explicativo, além de ter uma análise bem completa no vídeo acima, podendo seu código ser conferido abaixo:

(*<maprtest.pas>
 * Memory mapper routines test.
 *
 * - Routines tested:
 * - InitMapper;
 * - GetMapperPageByAddress;
 * - PutMapperPageByAddress;
 * - AllocMapperSegment;
 * - FreeMapperSegment;
 *
 * CopyLeft (c) since 1995 by PopolonY2k.
 *)

(**
  *
  * $Id$
  * $Author$
  * $Date$
  * $Revision$
  * $HeadURL$
  *)

{-----------------------------------------------------------------------------}
{                      PopolonY2k Framework dependencies                      }
{-----------------------------------------------------------------------------}

{$i types.pas}
{$i helpchar.pas}
{$i msxbios.pas}
{$i extbio.pas}
{$i maprbase.pas}
{$i maprallc.pas}
{$i maprpage.pas}

{-----------------------------------------------------------------------------}
{                             Module definitions                              }
{-----------------------------------------------------------------------------}

Type TMappedBuffer = Array[0..ctMaxMapperPageSize] Of Char; { Mapped 16K bufr }


{-----------------------------------------------------------------------------}
{                              Helper functions                               }
{-----------------------------------------------------------------------------}

(**
  * Print part of a buffer content passed as reference.
  * @param aBuffer Reference to buffer to be printed;
  *)
Procedure PrintBuffer( Var aBuffer : TMappedBuffer );
Const
       __ctMaxCol   : Byte = 10;

Var
       x, y  : Byte;

Begin
  For y := 0 To __ctMaxCol Do
    For x := 0 To __ctMaxCol Do
    Begin
      GotoXY( ( x + 1 ), ( y + 1 ) );
      Write( aBuffer[( x + y ) * __ctMaxCol] );
    End;

  WriteLn;
  WriteLn( 'Press <enter> to continue' );
  ReadLn;
  ClrScr;
End;

{-----------------------------------------------------------------------------}
{                    Main program variables and constants                     }
{-----------------------------------------------------------------------------}

Const
           ctDefaultPage  = $8000;     { Default page for data - Page 2 }

Var
      maprHandle       : TMapperHandle;
      chKey            : Char;
      nActiveSegmentId : Byte;
      aSegments        : Array[0..1] Of Byte;
      aDataBuffer      : TMappedBuffer Absolute ctDefaultPage;


{-----------------------------------------------------------------------------}
{                          Main program entry point                           }
{-----------------------------------------------------------------------------}

Begin    { Main program entry }
  ClrScr;

  { Initialize mapper system }
  If( Not InitMapper( maprHandle ) )  Then
  Begin
    WriteLn( 'Error to initialize Mapper' );
    Exit;
  End;

  WriteLn( 'Mapper succesfully initialized' );

  { Get the current segment used by data buffer on stack }
  aSegments[0] := GetMapperPageByAddress( maprHandle, Addr( aDataBuffer ) );

  WriteLn( 'Main Segment -> ', aSegments[0], ' on page 2' );
  WriteLn( 'Press <enter> to see it''s content' );
  ReadLn;
  ClrScr;

  { Fill page 2 on Main Segment, fully with X character }
  FillChar( aDataBuffer, SizeOf( aDataBuffer ), 'X' );
  PrintBuffer( aDataBuffer );

  { Alloc new segment to put data (MSXDOS2 BIOS) }
  If( Not AllocMapperSegment( maprHandle,
                              maprHandle.nPriMapperSlot,
                              UserSegment, aSegments[1] ) )  Then
  Begin
    WriteLn( 'Mapper segment allocation failed' );
    Exit;
  End;

  WriteLn( 'New Segment -> ', aSegments[1], ' successfully allocated' );
  WriteLn( 'Type <enter> to see it''s content' );
  ReadLn;
  ClrScr;

  { Activate page 2 content to the New Segment allocated }
  PutMapperPageByAddress( maprHandle, aSegments[1], Addr( aDataBuffer ) );

  { Fill page 2 on New Segment fully with Y character }
  FillChar( aDataBuffer, SizeOf( aDataBuffer ), 'Y' );

  PrintBuffer( aDataBuffer );

  nActiveSegmentId := aSegments[1];

  { Handle user switch segment contents }
  Repeat
    GotoXY( 1, 19 );
    WriteLn( 'Active Segment -> ', nActiveSegmentId );
    WriteLn;
    WriteLn( '0 - Switch to Main Segment ', aSegments[0] );
    WriteLn( '1 - Switch to New Segment  ', aSegments[1] );
    WriteLn( 'ESC - exit' );
    chKey := ReadKey;

    If( chKey In ['0', '1'] ) Then
    Begin
      nActiveSegmentId := aSegments[Byte( chKey ) - Byte( '0' )];

      { Activate page 2 content to segment chosen by user }
      PutMapperPageByAddress( maprHandle,
                              nActiveSegmentId,
                              Addr( aDataBuffer ) );

      { Show segment content }
      PrintBuffer( aDataBuffer );
    End;
  Until( chKey = #27 );

  WriteLn;

  { Release all segments allocated by the application }
  If( Not FreeMapperSegment( maprHandle,
                             maprHandle.nPriMapperSlot,
                             aSegments[1] ) ) Then
  Begin
    WriteLn( 'SegmentId -> ', aSegments[1], ' deallocation failed' );
    Exit;
  End;

  WriteLn( 'All segments successfully deallocated' );
End.

Em tempo, Ricardo Jurczyk Pinheiro desenvolveu um excelente e mais completo exemplo que faz uso das rotinas de mapper do framework de maneira mais completa, explorando inclusive outras funções de suporte a mapper do framework.

Seu exemplo pode ser visto no link abaixo:

https://github.com/ricardojpinheiro/test/blob/master/mappdemo.pas

Enjoy coding 🙂

Referências

Print Friendly, PDF & Email

Pop!Art VGM Player for MSX

Is known by the brazilian MSX community about the development of Pop!Art VGM player that I’m working on since middle 2014.

Some practical results about Pop!Art were reported in 2014 by one of the most important retrocomputing blogs in Brazil, the Retrocomputaria+ blog and by the biggest brazilian MSX community on FaceBook, the MSX Brasil Oficial.

Pop!Art VGM player already supports all existing chips on the MSX platform, like Konami SCC (K051649), PSG (AY8910), FM (YM2413), SFG01/05(YM2151), OPL3/OPL4 and the Philips Music Module (Y8950).

Note: Some months after I presented some Pop!Art results, another excellent VGM Player (VGMPLAY by Grauw) was released.

My first motivation to start this development was only for fun and also to start learning about how sound chips works. The second motivation was to start a big project in chiptune’s scene.

In fact to get information about these old chips was the biggest challenge because some of them just can be found on manufacturer’s data-sheet that sometimes are poorly written and with a small percentage of useful information.

In most cases these datasheet information are confused so the best alternative to these poor data-sheets are the Linux sound cards drivers source code.
After reading these drivers source code, I got some specific details about how several of these chips really work.

Custom chips like Konami SCC don’t have any data-sheets but fortunately are well documented by the international MSX community and sources like BiFi’s website were my main information source.

Another big source of information for MSX developers in general is the MSX Assembly Pages (brought by the same author of VGMPLAY, Grauw) that in my opinion is the best source of information for developers who want to make useful and cool things for MSX computers.

Presenting Pop!Art

Pop!Art is an original software made using Turbo Pascal 3, almost 97% of it’s code is written in Pascal, with some parts written in Z80 ASM. If you want to compile it’s source code and modify it, feel free because the source code was released under GPLv3 and can be reached at OldSkoolTech SVN’s repositories on SourceForge.net.

It is compatible with Borland Turbo Pascal 3.0 (CP/M80-MSXDOS), Turbo Pascal 3.3f from MSX Club Enschede, (MSXDOS 1 & 2), and it also can be ported to others newer Pascal compilers, like FreePascal (Lazarus) and maybe newer versions of Delphi compiler.

The source code is fully commented and several parts of Pop!Art software were incorporated to the framework that I’m developing since I had started the development of the MSXDUMP in 1995 (best known as PopolonY2k Framework).

This framework can deal with several technologies present on MSX architecture, like IDE device handling, MSXDOS and MSXBIOS function calls and direct console handling.

Pop!Art introduces some important features in the framework, like support to Z80 interrupts, all MSX sound chips handling (K051649 aka SCC, YM2413 aka FM, YM2151 aka SFG01/05, OPL3/OPL4, Y8950 aka Philips Music Module, AY8910 aka PSG) and a better and accurate “wait” routines that can deal with resolutions below 50Hz or 60Hz, fixing time errors caused by songs with “tempo” below these resolutions (50Hz or 60Hz), that minimizes any standard deviation.

The current Pop!Art engine also supports all existing chips for the MSX platform and in future, newer chips supported by the VGM format similar to any existing on MSX platform will be added to the Pop!Art engine.

The VGM file format

VGM, aka Video Game Music, is a logging format based on GYM format which is another video game format used specifically to store Sega Mega Drive (Genesis) songs, but contrary to GYM, the VGM format can be used with several other chips different to Mega Drive sound chip. The first version of VGM was released in 2005 and after this release, six new format specifications were released until the current 1.70.

Another curiosity about VGM is that the format was very popular with Winamp users because this music player was the first player capable of playing VGM songs through a plugin specially created for it.

GD3 tag format

The VGM format has a GD3 metadata present in file header specification. The GD3 format is the same format used by MP3 files to store several tracks information, like author, song name and so on.

Pop!Art VGM Support

Pop!Art supports all VGM version’s format, since 1.0 to 1.70 and the GD3 tag format is partially implemented in Pop!Art engine but will be finished in future releases.

The VGM format contains all data samples sent to the sound chips using a speed rate of 41,000 samples per second, so your library must be very fast and precise to deal with VGM files in an accurate way and basically just assembly codes can reach this performance using all of the chip’s power….right ???

Hummm…..maybe not.

Turbo Pascal

I’m really thinking to start writing code to MSX using modern compilers, like SDCC C compiler, which is known to be one of the most powerful and optimized compilers for small devices, but I have written a lot of code to the old Turbo Pascal 3 for CP-M80/MSX for years and my framework has increased a lot its capabilities to handle several standard devices present in MSX world.

Turbo Pascal

In fact I’m using this good, but not so optimized compiler, to learn about new optimization techniques and about the Turbo Pascal internals. And also how to avoid not optimized coding style when you’re programming for machines with low resources. Maybe in the future I can write a new, modern and optimized Pascal compiler (maybe a cross-compiler) for MSX machines, but this is another dream.

When I started writing this article in 2015, FreePascal compiler was not an alternative because it lacked Z80 binary generation support, but since beginning 2020 FreePascal started supporting Z80 platform.

https://wiki.freepascal.org/Z80

Borland Turbo Pascal 3.0 is an impressive compiler because it is a very fast compiler but unfortunately there are several things that were created to be generic and problem solving in a generic way are known to be slower than a more specialized code generation.

I’m dedicated to improve my framework to be so generic as possible but sometimes I’ll need to be more specific to resolve big performance problems using Turbo Pascal code instead using assembly code.

The small list below can help programmers who are thinking start coding in Turbo Pascal, C and another language different of ASM.

1) In Pascal avoid nested functions – This kind of structured feature is not optimized in Turbo Pascal 3;

2) In any high level language with floating point builtin data types support, like Pascal and C, try to avoid real time processing using these floating point types (float/double in C and Real in Pascal).
These data types can deal with an “excellent” precision but is known that when you have, or want, an “excellent” precision, the processor will pay the price for this precision, so avoid floating point real time operations if is possible. Sometimes this can be done performing some data pre-processing or using fixed point, instead floating point;

3) Use integer instead floating point data and byte instead of Integer data, depending on numeric range, for the same reason of previous item;

4) Try “think” your application in JUMP TABLES, instead nested IF’s or even switch-case (case-of for Pascal programmers);

5) Read this article before coding http://www.popolony2k.com.br/?p=2402

NOTE ABOUT THE 5th ITEM: I’m using GOTO in small pieces of code, because old compilers like Turbo Pascal 3 are very antique, so features like “break” and “continue”, widely used in loop iterations, can be “simulated” by using GOTO.

PopolonY2k framework

As I wrote at the beginning of this text that I’m working on a framework fully written in Turbo Pascal, with some parts in ASM, since I released the MSX DUMP (part of MSX Disk Doctor suite). I thought that this framework was optimized but I was completely wrong, because there’s no framework or any other piece of code which the performance can be measured when discs and slow devices are used by these codes.

So when I tested this framework using my MSX Turbo R machine, everything seemed to be 100% ok and fast, but when I tested the same code on a MSX, running a slower Z80 processor, some problems started to be more visible, then fixing these problems and keep everything working fast using a Z80 in the same way like a R800 processor is a hard work.

This framework was started 20 years ago, when I was leaving the university and in those days I just wrote code for old devices like, disk drives and some generic code code to access the MSXBIOS and MSXDOS (1).
When I restarted coding this framework in 2011, I quickly improved it by adding features to access new devices, like Sunrise IDE devices, Network socket API, UNAPI and RS232 support are still WIP (Work in Progress).

Bellow is the list of all features present on this framework

1) FOUNDATION MODULES – New modules to make Turbo Pascal “more compatible” with new Turbo Pascal releases. New features like Big Integer handling;

2) MSX INTERNALS MODULES – MSX related functions and information (e.g. MSX System Variables);

3) BIOS MODULES – MSX BIOS functions by category;

4) MSXDOS (1 & 2) MODULES – MSX DOS functions;

5) SLOT MANAGEMENT – Functions related to slot manipulation;

6) INTERRUPT HANDLING – Functions to enable interrupt vector function handling using Turbo Pascal;

7) COMMUNICATION – Functions related to communication (RS232 (Work in progress), Sockets);

8) COMMUNICATION DRIVERS – Drivers written to support the Sockets implementation above. Support to OPTONET cards;

9) UNAPI FRAMEWORK – Support to UNAPI framework in Turbo Pascal (Work in progress);

10) SOUND CHIP DRIVERS – Drivers for all sound chips found on MSX standard;

11) VGM PLAYER FRAMEWORK – Functions to play songs in VGM format;

12) IDE SUNRISE-LIKE FRAMEWORK – Functions to handle Sunrise-like IDE devices;

13) USER INTERFACE AND OPTIMIZED CONSOLE MODULES – New functions to increase the speed of console applications and to handle user interface;

14) UNIT TEST FRAMEWORKPopolonY2k TEST SUITE (PTEST) – Functions providing UNIT tests capabilities for Turbo Pascal 3 projects (widely used in the Big Integer implementation);

An updated framework features list can be reached here.

Pop!Art features list

  1. VGM file support (1.0 up to 1.70 – some commands are still disabled. eg. non MSX existing chip commands);
  2. Memory Mapper support (VGM files longer than 64Kb can be loaded and played);
  3. MSXDOS2 only support (sub-directories access). Maybe MSXDOS1 will be supported in future releases;
  4. AY8910 support;
  5. YM2413 support;
  6. YM2151 (SFG 01/05) support;
  7. Y8950 (Philips Music Module) support;
  8. YMF278 (OPL4) support;
  9. K051649 (SCC) support;

Known Pop!Art missing features in this release (0.0).

  1. VGZ file support (in fact is VGM inside a .tar.gz file);
  2. MSXDOS1 support;

Pop!Art memory layout

The application memory layout is described below:

  1. $0000-$3FFF – MSXDOS CP/M-80 + Turbo Pascal runtime workspace;
  2. $4000-$7FFF – Application object code;
  3. $8000-$BFFF – VGM Song data (16Kb memory mapped paged system);
  4. $C000-$FFFF – Unused;

Pop!Art in action

After writing a long story and mainly a lot of technical stuff, it is time to play some song using Pop!Art finally after 5 years 🙂

Check the video below where I explain technical details about how Pop!Art works internally.

Pop!Art in action (portuguese video only)

Downloading Pop!Art

Pop!Art binaries can be downloaded here, https://sourceforge.net/projects/oldskooltech/files/MSX/Pop%21Art/

Enter the version directory you want (e.g v0.0, etc) and download a preferred compressed file (pop_art_v_?_?.zip or pop_art_v_?_?.lhz).

After downloading and decompressing the chosen file, popvgm.com and popplay.chn files will be extracted, put them together in the same directory and then execute popvgm.com.

These files are the two main modules of Pop!Art described below.

  • popvgm.com is the VGM loader;
  • popplay.chn is the VGM player itself.

Hidden gems

Unfortunately all Turbo Pascal 3.x for MSX, both Borland and MSX Club Enschede, are too old products and are both an one pass compiler, so generated binaries are not so optimized as newer compilers like Free Pascal compiler.

Borland did an excellent work when decided create a powerful runtime not just placing the biggest part of standard library there but all comparison test routines are placed there too.

Using this model, the amount of binary code generated by the compiler was decreased considerably but on the other hand they sacrificed performance with this strategy.

I realized that all If’s in the main Pop!Art streaming routine was jumping to the respectives runtime routines and this behavior was decreasing performance a lot, so after a long time think about this problem finally I decided to change the Borland Turbo Pascal 3.0 binary by adding an extra pre-processing compiler directive to generate inline code for all comparison routines and consider Integer (-32768 .. 32767) like Word/Unsigned int (0 .. 65535).

But changing this behavior could turn specific code written to this specific Turbo Pascal version, incompatible with both Borland and MSX Club Enschede, so instead using the standard compiler directive {$ }, I created an extended compiler directive {% } that is considered by Borland and MSX Club Enschede Turbo Pascal as a regular comment but for my modified Turbo Pascal version is an extended compiler directive.

The first extended directive is {%W} and is a scoped directive, so to activate the starting scope the programmer must start with {%W+} and finish the scope with {%W-}.

This will inform the compiler to treat comparison routines as unsigned integer and generating inline code from starting point {%W+} to ending point {%W-}.

Below a small piece of Pop!Art code using this technique:

Procedure __MoveMapper16BitData{( __pSndChipArrayParms : Pointer )};
  Begin
    {%W+}
    If( nCurrentStreamPos < __ctMapperBufferEndAddr ) Then
    {%W-}
    Begin
      __pSndChipArrayParms := Ptr( nCurrentStreamPos );
      nCurrentStreamPos := nCurrentStreamPos + 2;

      (* Direct jump to command processing routine *)
      Inline( $2A/nFnJmpAddr   { LD HL,(nFnJmpAddr) }
              /$E9             { JP (HL)            } );
    End
    Else
    Begin
      __pSndChipArrayParms := Ptr( Addr( aSndBuffer ) );
      aSndBuffer[0] := Mem[nCurrentStreamPos];
      __ExecMapperPaging;
      aSndBuffer[1] := Mem[nCurrentStreamPos];
      nCurrentStreamPos := Succ( nCurrentStreamPos );

      (* Direct jump to command processing routine *)
      Inline( $2A/nFnJmpAddr   { LD HL,(nFnJmpAddr) }
              /$E9             { JP (HL)            } );
    End;
  End;

All comparison structures below are covered by this extended directive:

  • While .. Do
  • Repeat .. Until
  • If… Then … Else

Conclusion

Pop!Art can still be considered a work in progress and soon some extra and useful features will be added to it’s core engine, like:

  • Add support to VGZ (compressed VGM) file format;
  • Chip sound drivers improvement, adding chip specific extra features still not implemented;
  • Core engine speed optimization (improving Turbo Pascal performance);
  • Add full support to VGM 1.70;

So, I hope you enjoy Pop!Art and thanks for reading.

[]’s
PopolonY2k

Print Friendly, PDF & Email

Hungarian rapsody

A computação é uma ciência “recente”, que se move quase que na velocidade da luz em comparação com as demais ciências.

Em pouco tempo diversas mudanças ocorrem e tecnologias dominantes são praticamente varridas quase que para baixo do tapete em “segundos”.

É uma área em constante mudança que acontecem desde a concepção da tecnologia em seus mínimos detalhes, mesmo os invisíveis a olho nú, até aqueles estruturais e que abalam o ecossistema todo, ecoando através dos tempos deixando sua marca nos mais diversos meios de comunicação.

Nesse cenário a indústria de desenvolvimento de software moderna tem aprendido muito através do desenvolvimento de novas ferramentas que auxiliam a construção de tecnologias e produtos, entretanto nem sempre existiram IDE’s poderosas capazes de integrar com debuggers e analisadores estáticos, dentre outros ferramentais disponíveis na atualidade.

Borland Turbo C 2.0

No inicio dos anos 90, IDE’s como Turbo Pascal 5.0 e Turbo C 2.0, da Borland, começavam a revolucionar a forma como softwares eram desenvolvidos, com seus debuggers integrados, excelentes editores de código com seus syntax highlighting.

Entretanto nessa época os desenvolvedores, em sua grande maioria, não terceirizavam sua confiança e competência nas IDE’s e na maioria das vezes utilizavam ou desenvolviam técnicas para auxiliar a organização, compreensão e depuração do código.

Charles Simonyi

Nessa mesma época, Charles Simonyi, um jovem engenheiro de software nascido na Hungria e que havia sido recrutado por Bill Gates para trabalhar no desenvolvimento da suite Microsoft Office na Microsoft, começou a popularizar uma técnica que já havia sido criada por ele em seu antigo emprego na Xerox PARC.

Essa técnica consiste em uma notação de código, independente de plataforma e linguagem, que tenta padronizar prefixo de nomes de variáveis de acordo com seus tipos e comportamento, bem como estilo de nomes de funções (se estendendo a classes) de forma a deixar o desenvolvimento uniforme e com um padrão conhecido e documentado, auxiliando a compreensão principalmente em grandes projetos e por pessoas diferentes.

Esse padrão é conhecido como notação húngara (hungarian notation) e foi popularizada pela Microsoft em suas literaturas oficiais, principalmente nos anos 90, sendo ainda um padrão forte dentro da empresa até os dias atuais.

Programming Windows 3.1

Eu mesmo conheci essa notação em 1993, quando adquiri a terceira edição de Programming Windows 3.1, de Charles Petzold – Microsoft Press, esse também um dos melhores escritores de livros técnicos que eu já li (menção honrosa também a Peter Norton), me apresentando assim essa notação.
Me rendendo ao entusiasmo de Petzold, decidi tentar escrever todo software que eu pudesse, utilizando notação hungara para saber se traria algum benefício, não só por isso mas também porque meus softwares começavam a se tornar cada vez maiores e complexos, portanto eu deveria tornar as coisas mais compreensíveis para o EU do futuro.

Apesar de ser alguém, corportivamente falando, com raízes fortíssimas no UNIX, tendo iniciado no XENIX, passado por SCO UNIX, IBM-AIX e Sun Solaris, confesso que era bastante influenciado pelo estilo Microsoft, antes dela se tornar esse elefante branco que é hoje, pois ela era a Google da época e portanto uma forte influenciadora dentre os jovens programadores, algo em proporções muito maiores do que ela mesmo representa nos dias atuais junto aos programadores mais jovens.
Pessoalmente, a Microsoft foi um dos pais do padrão MSX, portanto era “alguém” por quem eu tinha um certo carinho até então e por isso usar uma notação difundida pela Microsoft e não pela galera do UNIX, a qual eu estava mais corporativamente inserido, não foi nada estranho.

Sobre a notação húngara, abaixo vou deixar alguns exemplos retirados desse documento, que é bem simples e direto e que faço questão de deixar aqui em meu site, mas também fazer referência ao link original onde ele originalmente está hospedado aqui e que me pareceu ser uma plataforma de ensino inglesa bem interessante.

[]’s
PopolonY2k

Print Friendly, PDF & Email

To infinity… and beyond.

Além dos tradicionais lançamentos de sondas espaciais, foguetes, satélites, homens no espaço bem como na lua, a agência espacial mais conhecida do planeta (quiçá em outros planetas), a NASA, tem feito um esforço para tornar conhecidas as suas iniciativas no desenvolvimento de software.

NASA
NASA logo

Apesar de muito conhecida por seus grandes feitos desde a época da corrida espacial nos anos 50, é óbvio que além de todo o conhecimento científico adquirido com esses feitos, principalmente o conhecimento e desenvolvimento matemático e algorítmico devem ter sido algo jamais experimentado na história da humanidade em um curto intervalo de tempo.

Como a NASA foi criada em uma época em que o “segredo” era algo que poderia mudar o rumo da história devido a um momento de “guerra” (psicológica) entre as duas maiores potências da época, é normal que tudo o que fora desenvolvido por essa agência fosse “secreto” até então.

Entretanto os tempos são outros e a quantidade de informação existente hoje não justifica mais nenhum “segredo”, uma vez que é muito mais interessante que a própria agência se beneficie das vantagens do compartilhamento via iniciativas de software open source.

Até mesmo outras agências, como a DARPA, vem utilizando há anos software open source em seus projetos internos.
Eu mesmo já obtive um feedback há uns 15 anos atrás, onde um engenheiro da DARPA me pareceu estar usando a minha biblioteca JMML (Java MSN Messenger Library), já naquela época.

Voltando à NASA, desde o ano passado percebi que a agência tem demonstrado estar bem compromissada em organizar um grande catálogo contendo todas as suas tecnologias em software, já criadas e utilizadas em seus projetos.

NASA Software Category

Na imagem acima podemos ver todas as categorias de software contemplados pela iniciativa.
Particularmente me interessei pela “Data servers processing and handling” e ao abrir essa categoria, percebi que tenho, só ali, um universo a ser explorado que irá me levar “ao infinito e além“.

Segue abaixo o link da iniciativa.

https://www.nasa.gov/directorates/spacetech/techtransfer/Software_Catalog_2019

https://software.nasa.gov/

[]’s
PopolonY2k

Print Friendly, PDF & Email

Featured project – Aleste Gaiden Cartridge (MSX Brasil Oficial)

Depois de um longo período de silêncio, devido a um período de muito trabalho não relacionado a coisas legais, finalmente retorno com novidades, principalmente porque apesar do blog estar um pouco silencioso não significa que trabalhos em background não estão sendo desenvolvidos, muito pelo contrário pois essas horas de silêncio significam que muita coisa legal está sendo feita 🙂

Vamos deixar as outras coisas legais para outros posts pois o objetivo desse post aqui é mostrar um cartucho desenvolvido por uma das maiores comunidades de MSX no Facebook, que é a MSX Brasil Oficial, comunidade essa onde sou um dos fundadores e também um dos moderadores.

O projeto se iniciou nas conversas entre Erwin Brasil, um dos fundadores e também um dos moderadores da MSX Brasil Oficial com o Sergio Augusto Vladisauskis um dos membros mais atuantes da comunidade MSX nacional. Após algum tempo o Sergio entrou em contato comigo perguntando sobre a compatibilidade de uma ROM do jogo para MSX2, Aleste Gaiden, que havia sido gerada pelo software do Vincent Van Dam, o DSK2ROM.

Um problema havia sido detectado no som FM da ROM gerada, quando executada nos MSX TurboR operando em modo R800, causando sons estranhos e modificando completamente a musica para ruídos nada agradáveis de se ouvir. Ao testar essa ROM em um dos meus MSX TurboR, naquele dia, eu não sabia que estaria entrando de maneira intensa no desenvolvimento desse projeto.

Após testar essa ROM e concluir que tínhamos um problema, chegamos a conclusão que estava relacionado ao modo R800 pois eu havia testado a mesma ROM no MSX TurboR mas em modo Z80, bootando a máquina pressionando a tecla 1 e tudo havia funcionado perfeitamente, então para corrigir isso deveríamos inserir uma rotina que chaveasse o funcionamento dessas máquinas para o modo Z80, na inicialização do jogo.

Como as notícias correm rápido demais em um ambiente comunitário forte e principalmente com muita gente boa interagindo entre si, então em poucos minutos um dos membros da comunidade MSX bem conhecido pelo seu alto conhecimento da plataforma MSX, o Julio Lemos, entrou em contato comigo já com uma ROM modificada para esse fim e como era de se esperar, essa ROM funcionou perfeitamente.

Apesar desse contratempo tudo caminhava muito bem e os cartuchos MegaFlashROM começavam a ser produzidos para que enfim a ROM pudesse ser gravada e entregue aos participantes patrocinadores do projeto. Mas o pior estava por vir e nesse momento mais uma vez o Sergio me informou que a ROM do Aleste Gaiden não funcionava nessa MegaFlashROM 512Kb, apesar de rodar muitos jogos MegaROM, incluindo MetalGear2 e Goonies ‘R’ Good Enough, ambos de 512Kb, de mesma capacidade da ROM do Aleste Gaiden.

Marcamos, eu, Sergio e sua noiva, Cristina Simões e também o Rogério Matte (MSX ARM) no Shopping Light no centro de São Paulo, onde o Sergio me levou uma versão dessa MegaFlashROM 512Kb, com todos os chips soquetados afim de que pudéssemos modificá-la, caso fosse necessário, mas olhando a descrição da MegaFlashROM na própria plaquinha, dizia MegaFlashROM Konami4, o que já indicava uma pista do “problemão” que teríamos que resolver.

Não dá apara avançar nas explicações sem antes falar sobre a…

…DSK2ROM

O projeto DSK2ROM apesar de ser excelente e complexo tem um conceito bastante simples, ele simplesmente adiciona uma DISKBIOS modificada para “enxergar” a mapper da MegaFlashROM como se fosse um disco, mas infelizmente a DSK2ROM não suporta mapper Konami4 e para chegar a essa conclusão eu havia iniciado um trabalho de desenvolvimento de um novo gravador de flash para a MegaFlashROM que seria o responsável de patchear o software e DISKBIOS corretamente para a mapper Konami4, desenvolvi então o DSK2FLASH e fiz alguns testes com o jogo Aleste 1, que também não funcionava nessa mesma MegaFlashROM Konami4, entretanto cheguei a conclusão que o trabalho em cima da DISKBIOS seria bem demorado e que se o pessoal concordasse eu começaria os trabalhos em cima disso, mas não seria algo imediato e levaria talvez alguns meses até que tudo estivesse concluído.

O pessoal do projeto concordou em esperar mais um tempo até que eu tivesse tudo concluído mas nesse momento o inesperado aconteceu novamente. Como as notícias correm rápido e até mesmo porque depois que expliquei tecnicamente, exatamente, o que precisaríamos fazer para ter o Aleste Gaiden rodando nessa MegaFlashROM K4, algumas horas após expor esse fato na lista dos participantes do projeto, eu recebi um email do Marcelo Zoffy que eu conheci naquele exato momento em que lia aquele email mas que já de entrada havia ganho minha apreciação, admiração e respeito.

No email ele me dizia que havia feito exatamente o que eu precisava, inclusive já tinha uma ROM do Aleste Gaiden preparada para rodar na MegaFlasgROM Konami4, mas que só havia testado em um OpenMSX e nunca em um MSX real, ROM essa que estava inclusa em anexo no email. Nem precisa dizer que testei essa ROM correndo em vários MSX, desde MSX2 importados, MSX TurboR e também no ZemmixNeo, todos funcionando 100% e de primeira.

Agradeci ao Marcelo Zoffy, prometi que enviaria um cartucho novinho para ele assim que o mesmo estivesse pronto, peguei a ROM enviada por ele reenviei ao Julio Lemos para que ele aplicasse a sua modificação que chaveia o modo de operação para Z80 nos MSX TurboR e em 1 semana já tínhamos tudo pronto para lançar os cartuchos.

Após tudo isso, o Sergio correu para produzir, testar e corrigir eventuais problemas nas plaquinhas de MegaFlashROM já com os cartuchos transparentes, bem como Erwin finalizou a arte dos adesivos que estampam a frente dos cartuchos do Aleste Gaiden, que podem ser apreciadas nas fotos abaixo 🙂

Me lembro que há uns 3 anos atrás eu lancei o concurso Pop!Dev, visando premiar o desenvolvimento de software para MegaRAM, na época, onde o prêmio seria justamente uma MegaRAM 2MB. Infelizmente não houveram participantes nesse concurso e o mesmo foi cancelado alguns meses depois.

Felizmente ao participar de iniciativas como essa, onde membros da comunidade estão realmente focados em fazer algo acontecer, me faz repensar o relançamento do Pop!Dev novamente, sob outros moldes.

Posso afirmar que os vencedores do Pop!Dev do Aleste Gaiden, foram Marcelo Zoffy e Julio Lemos 🙂

Conforme prometido, tanto o Marcelo Zoffy, quanto o Julio Lemos, receberam 1 cartucho do Aleste Gaiden cada um deles pela grandiosa ajuda nesse projeto, pois sem eles talvez a ROM utilizada não fosse a do Aleste Gaiden, conforme pensado originalmente.

Agradeço também ao Sergio, que como um dos pais do projeto demonstrou uma grande capacidade e agilidade de “movimentação”, pois sabemos que em projetos desse tipo é necessário alguém com essa força em fazer a coisa acontecer, bem como ao Erwin pelas ideias e arte do cartucho e também a todos os que patrocinaram o projeto, sem vocês ele não teria acontecido nessa proporção em que aconteceu.

[]’s
PopolonY2k

Print Friendly, PDF & Email